Sábado, 4 de Dezembro de 2010

Novos blog´s. Obrigado.

Novos blog´s. Obrigado.

 

http://fumoepalavras.blogspot.com/

 

http://planolivre.blogspot.com/

publicado por Borges às 02:44
link | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Abril de 2008

Terça-Feira, 8 de Abril do ano de 2008

FIM.
publicado por Borges às 23:24
link | comentar | favorito

Cessou!

Porque as palavras são eternas

Porque esta ideia aqui fixa já não tem pernas

Porque a vontade de aqui parar já morreu

Tal como muitas esperanças…

Mas a vida é eterna

E como tudo o que existe

De uma forma ou de outra

Continua a existir

Talvez isto também mantenha para sempre a sua existência

Mesmo que não mereça existir…

 

A realidade é distorcida

Eu já não suporto a força para aqui permanecer

Já não há pernas para caminhar

Sim…

A vida aqui morreu

Restarão as ruínas

Para algumas almas perdidas aqui passarem

 

As palavras ditas

São mais poderosas

Do que as escritas num lugar qualquer

Este sitio não foi um local qualquer

Foi o meu muro das lamentações

Foi o muro das maravilhas

Foi onde alguém leu

E nada entendeu

Foi o meu pequeno mundo

Onde desajeitadamente deitei fora sentimentos em forma de letras

 

A quem por aqui passou

A ti

A ela

Aos outros

Ficam somente as ruínas do passado

Ficam as palavras

Que talvez somente façam parte de algumas tristes histórias

Ou de histórias do mundo das maravilhas…

Fica aqui tudo

Fica aqui nada

Fica o que tem de ficar

Fica aquilo que um dia disseram não ser necessário

Fica aquilo que um dia disseram ser demasiado

Fica aquilo que um dia fez duas ou três faces esboçarem um sorriso

Para que sempre que alguma alma perdida passe

Possa fazer o que alguns seres que sentem fizeram durante algum tempo…

Talvez seja um ciclo que não se feche

Talvez ainda se volte a abrir este livro

Mas a verdade é só uma…

As palavras não são mais que duas…

Adeus…

Obrigado…

Cessou!

publicado por Borges às 23:05
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 3 de Abril de 2008

Não lhe consigo colocar título...

Não faço a menor ideia do escrevo

Não penso

Simplesmentre quero escrever algo

Escrever algo sobre ti

Sobre esta noite

Sobre aqueles minutos

Porque sabes o que sinto

Porque sabes que mudava o mundo por ti

 

Por ti simplesmente morria

E amava-te noutra vida

Por ti eu fazia tudo o que nenhum humano faria

Seria mais que humano para que sentisses o que sinto

Mudava o mundo para seres minha

Meu anjo, por ti eu mudava tudo o que alguém miniciosamente criou

Mudava a vida para que tivesses aqui ao meu lado

 

Perdoa esta fraqueza

Perdoa esta inocência

Mas eu sou somente sou um menino

Um menino que procura a sua flôr da felicidade no jardim da felicidade

E que esta noite volta confuso para a sua casa feita de espinhos

E sofre...

Esta noite fica acordado a pensar em ti

Porque não encontra a sua flôr da felicidade

Porque não te encontra a ti

 

Sabes o que mudavas em mim?

Mudavas a minha vida

Se te tivesse

A minha vida perdia o cinzento que sempre a cobriu

Se te tivesse

A minha vida tinha côr

Se te tivesse

Eu seria feliz

Pensaria a cada fracção de segundo em ti

Estaria vivo por ti

Seria alguém só porque me amavas

A minha existência seria um prazer somente por te ter ao meu lado

 

Sei que nada é possivel

Pouco há a fazer

Somente respiro o teu perfume

Aquele perfume que deixas-te esta noite

Sim, na noite de hoje...

Na noite em que desenterrei o meu segredo

O segredo que guardei porque tinha medo

Na noite em que senti que cada vez mais te adoro

Na noite que aliviei o peso de um amor

Na noite em que brilhas no meu coração

Na noite em que choro por ti

Na noite em que nada mais me faz feliz senão tu

Na noite em que nada faz sentido

Mas que algo fica iluminado pelo brilho do teu rosto

Na noite em que tudo podia ter acontecido

Na noite em que nada aconteceu

Na noite em que tu és tudo aquilo pelo que lutei

Na noite em que somente posso sonhar contigo

Meu anjo...

Somente posso sonhar contigo...

 

As minhas palavras não são belas

Não as consigo fazer belas como tu

Não são encantadoras...

Eu não tenha a habilidade de criar palavras belas

São somente uma informação...

Uma simples informação...

Que sai das entranhas do meu coração...

E se espalha pela noite e pelas estrelas

Com o fim de chegar a ti

E fazer-te saber que alguém te adora

Mesmo naquelas em que o mundo parece acabar!

 

Sim...

Há algo que fica por dizer

Mas digo no proximo milénio...

Agora somente importa uma informação

Uma informação acompanhada de um sorriso inocente e escondido

Uma informação que possui todo o meu carinho...

Que possui o meu coração...

Que segue após uma breve confissão

É uma simples informação...

Meu anjo, hoje e sempre sonhei contigo!

publicado por Borges às 03:29
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Março de 2008

Como chuva numa triste noite de Primavera da cidade Invicta

A chuva bate

Bate com cada vez maior intensidade

Bate e eu não a sinto

São os meus os olhos que dizem que ela é terrivel

A chuva que me atinge não supera uma dor

É uma dor intensa

Que atinge a minha alma

Que se reflecte no meu corpo

E por isso caminho por esta calçada

Por esta rua rodeada pelas trevas

E não sinto a chuva

Não sinto a cidade deserta

Não sinto o medo da sua obscuridade

Só te sinto a ti

Só tu estás comigo

Só tu estás na minha mente

 

A minha dor é tão intensa quanto a chuva

Chuva que bate impiedosamente no chão

Tal como a minha dor

Tal como os meus inúteis sentimentos

Bate e esmaga-se

Espalha-se e escorre

É uma dor pisada

São sentimentos pisados

Pelos pés da tua indiferença

 

No fim esses sentimentos

Para ti nada são

São como mera chuva

Mas para mim

E por minha ignorância

São como o sol que brilha no horizonte

Aquele sol que há muito se pôs

Aquele verdadeiro sol que já não brilha

E dá lugar á chuva

Que dá lugar a esta triste noite

Aquele sol que para ti

Somente seca as lágrimas da minha dor

Aquele sol que se confunde

Como chuva numa triste noite de Primavera da cidade Invicta.

publicado por Borges às 05:55
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 20 de Março de 2008

Porque não consigo dizer adeus

Porque não consigo dizer adeus
Já estive para partir
É uma decisão que não tomo
É uma tarefa que não cumpro
É um medo que me incutiram
É o medo de não voltar
É sentir a falta de te olhar
 
Se for um adeus
É um adeus para a vida
Lamento mas não suporto a desilusão
Há aqui um coração sabias?
Eu sei que os sentimentos são só meus
Para ti é como o vento
Não importa o sinto
São somente sentimentos meus
 
A tua resposta foi sempre uma
Hoje já não dói ouvi-la
Brevemente falando
Dizias não
Não, não, não…
Fui sempre invisível
E tu sempre invencível
Eu perdi todas as batalhas
E tu acabas-te por ganhar a guerra
 
Nunca me olhaste
Nunca quiseste entender
Nunca tiveste tempo para perder
Só negas-te sem saber porque negavas
Foi sempre a tua decisão
Agora tenho eu de tomar uma
Depois de perder o que me aquecia
De perder o que sentia
Tenho mesmo de tomar uma
E tu sabes qual é que vou tomar
Tenho medo…
Talvez antes passe por louco
Actue com insanidade
Mas no fim vou sempre dizer adeus!
publicado por Borges às 22:06
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2008

Se pedir paciência, será que me dão?

Se pedir paciência, será que me dão? Não, em vez de me a darem, receberei antes uma oportunidade para ter essa mesma paciência!

publicado por Borges às 21:59
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

Adeus!

Eu sei como deveria de ser
Deveria ser paciente
Tive muitas oportunidades
Podia ter sido paciente
Hoje ainda o posso ser
Mas não quero
Não o sei ser
Porque não é assim que tem de ser
 
Depois de muitas palavras
Depois de ter perdido o horizonte
Depois de acreditar que não
De saber que tinha de ser sem ti
Agora não peço mais nada
 
Estou aqui
Diante de ti
Eu vejo nos teus olhos
Tens medo
Receias-me
Sim…
Foge até mais não
Mas antes
Deixa-me dizer-te
Que não tenho paciência
Que lamento…
Deixa-me dizer-te aquilo que mais quero
Deixa-me dizer-te nos teus olhos
São as minhas últimas palavras…
Adeus!
publicado por Borges às 17:02
link | comentar | favorito

Dizer-te

Por milhares de coisas que fiz
Por milhares de coisas em que pensei
Por mais segundos que tenham passado
Por mais momentos que estive contigo
Fui sempre fraco
Senti o perigo
E nunca arrisquei
 
Por todos os momentos que a vida me deu
Pelo bem e pelo mal
Pelo que te contei e não contei
Pelo que te fiz e não fiz
Será que esta noite acreditas em mim?
O que tenho não é por mal
 
Esta noite é como todas as outras
Simplesmente pode mudar uma página
Uma pagina que já deveria ter sido mudada
Tive muitas hipóteses de o dizer
Mas não…
Nunca tive a força e a coragem daqueles que vivem num mundo perfeito
Será que me dás uma hipótese?
Não te farei mal
Não fui eu que escolhi
Só sei que tem de ser feito
 
Eu sei que errei
Querer é errar
É acreditar no impossível
É para mim fazer o possível
Pois o medo é maior do que eu
Nem tudo que vez é meu
Aqui sou só eu
E tu…
Tenho uma hipótese?
Posso te contar este segredo?
 
Sei que não sou o sonho
Estou longe disso
Estou longe de ti
Sei por que te escondes
Um dia todos diremos não
E deixaremos alguém no chão
Mas acredita em mim
Se não fosse especial
Se não fosse por ti
Eu não queria nascer
Eu queria morrer...
Caí para o chão
Estou cansado
Posso contar-te este segredo?
Não tenhas medo…
É só a verdade a que és indiferente!
publicado por Borges às 03:31
link | comentar | favorito
Domingo, 6 de Janeiro de 2008

Respostas

Eu só não encontro respostas

Não consigo compreender quem sou

Nem quem os outros são

O que me rodeia não tem resposta

A eles nao posso responder

 

 Eu talvez seja um simples ser

Talvez não seja nada

Aqui estou com os meus erros

A brindar com os meus defeitos

 

 Bem quero respostas

Mas por mais segundos que vivo

Elas nao surgem

E os erros crescem como ervas

 

 Eu preciso de respostas para continuar

Só erros não chegam

Pois não me consigo levantar...

Cada dia já não é uma lição

É já somente um massacre

Que insiste em crussificar-me

E fazer de mim simplesmente nada

 

Não tenho palavras para descrever

Em poucas poderei definir

É impossivel sobreviver assim

É impossivel sentir

É improvavél acreditar...

Com esforço

Com dor

Mas sem respostas

No chão

Irei acabar por ficar

publicado por Borges às 16:44
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2007

Ondas da minha própria dor

É impossível

Basta

Não serve de nada…

É inútil lutar

A vida não vale o esforço

Ela não compensa

Não compensa acreditar

Não compensa viver

Viver é nada!

 

Nada como a invisibilidade

Eu não vejo nada na vida

É invisível

É inútil

É fútil

Desagradável

Um simples molhe de sofrimento

Uma barra de dor

Onde o mar da tristeza bate sem cessar…

Onde eu me afogo

Onde eu morro

 

As ondas da dor são gigantes

Engolem-me

Tal como a vida me tem engolido

Tal como eu tenho sofrido

Eu sou engolido e sufocado até á morte

Basta!

Estou cansado de rebolar nas ondas da minha própria dor

Estou cansado da vida que me ofereceram

 

É inútil tentar

Não serve de nada

Nada me faz recuar nos pensamentos

Nada me faz crer em mim

Nada me faz crer que devo lutar

Prefiro não lutar

E ir…

Com as ondas da minha própria dor

Afogar-me no mar da tristeza

E dar á costa na ilha do inferno

Onde a vida não mais e pode ver

Onde eu e ela

Somos invisíveis

Onde já não tenho de lutar

Onde realmente já bastou

Pois nem eu…

Nem ela…

Temos existência!

Já somos ambos invisíveis!

Lá já não há luta…

Simplesmente somos nada

E chegamos

Por culpa das ondas da minha própria dor!

publicado por Borges às 01:46
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2007

Simplesmente desapareceu para a eternidade

Passo sobre passo

A cada passo ela foi embora

Num momento ela foi para longe

Já nada resta

Abandonou tudo

Deixou-me aqui só

Somente com as nossas recordações

Tudo que tínhamos ela abandonou

Simplesmente desapareceu para a eternidade

 

Já não vejo o teu brilho

Estás fria

Não te moves

Já não respiras

Perdi o teu sorriso!

Foi uma luz que te levou

Mas porquê?

Quem te quis levar?

Não podes voltar?

Volta a brilhar

Volta para mim

Não consigo viver sem o teu sorriso!

 

O que significa uma pedra com um nome?

O teu brilho era a vida

A vida que nunca sonhei ter

Hoje foste embora

E contigo levas-te as nossas vidas

Eu quero-te aqui

Porque te levaram para sempre?

Volta nem que seja por um segundo

Quero sentir-te aqui

Quer ser iluminado pelo teu brilho

Ou leva-me contigo para onde quer que vás!

 

Porque partis-te para tão longe?

É tão longe que eu não consigo alcançar!

Quero o teu sorriso

Quero o teu brilho

Contigo levaram o meu coração

Sem ti não há brilho que me faça sorrir

Toma a minha mão

Leva-me contigo para longe

Para onde te possa para sempre alcançar

E para sempre lá possamos ficar!

 

Porque te levaram?

Tinha mesmo de ser assim?

Dizem que é eterno

Será como nós

Seremos eternos!

O teu brilho já não é visível

Mas eu sei que brilhas

O teu brilho é eterno

Tal como as minhas lágrimas serão!

 

Na pedra escrevem o teu nome

No meu coração o teu nome está

Na minha mente o teu sorriso permanece

Tudo está aqui comigo

Somente tu não estás

Porquê?

Quem te levou?

Tinha de ser assim?

Por favor volta brilhar aqui

É aqui que tens de brilhar

Não quero que brilhes na eternidade

Quero que brilhes aqui

Eternamente ao meu lado!

Volta para mim

Volta a sorrir

Volta a viver

Volta para o meu lado

Brilha eternamente

Sorri…

Mas aqui

Eternamente ao meu lado!

publicado por Borges às 02:02
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 27 de Outubro de 2007

Monstro anormal.

Caminho pela rua

Olho em volta...

Não pertenço aqui

Todos me rejeitam

Todos se afastam

Que faço aqui?

 

Eu não pertenço a lado algum

Não me aceitam

Não posso pertencer

Jamais poderei

Fazer parte de um mundo normal

Quando ninguem me aceita

Quando não sou normal!

 

Não consigo pensar em mim

Não me consigo olhar

Acabo um monstro

Anormal...

Não posso viver

Não posso tocar

Onde quero que vá...

Onde quer que esteja...

Onde quer que toque...

Simplesmente destruo tudo!

 

Sem querer

Sem intencionar

Sou um anormal que destroi tudo

Que se destroi a ele proprio...

Continuo caminhando

Sem saber para onde ir

Tudo se afasta

Tudo se destroi

Tudo foge

Nada se encaixa comigo

Nada é normal...

Eu sou um anormal

Uma vida incompreendida

Uma vida perdida!

publicado por Borges às 17:57
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 8 de Outubro de 2007

Encontrar-me.

Estou do lado de fora

Longe de tudo

Não desiludido

Mas sim comovido...

Não sei se é felicidade...

Não sei se será medo

Sinto-me diferente

 

Foi isto que escolhi

Nao me arrependo...

Jamais...

Mas será que tenho força

Para continuar esta procura?

Não sinto nada… nada!

Eu quero encontrar-me!

 

Neste momento nao sou nada...

Não me sinto nada... nada

Não sou ninguem

Não sou sequer uma coisa

Não passo de um ser semi-morto

Um corpo que procura vida!

Um corpo cheio de pura esperança

 

Sei porque algumas vezes sofro

Sei porque ainda nao me sinto todos os dias bem...

Algo me diz que faz parte

Algo me faz acreditar

Não vou desistir agora!

Eu preciso...

Eu tenho de me encontrar!

Estou á procuraa de mim próprio

Não conheço o futuro

Tenho esperança...

A única coisa que me faz viver...

É acreditar que mudei porque eu queria...

E porque simplesmente

Tenho uma porta aberta

E acredito

Que um dia me vou encontrar!

publicado por Borges às 20:14
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007

Eu não me preocupo

Eu não me preocupo

As minhas pernas estão a correr

Vejo uma luz

Sigo a luz!

É a da felicidade que me ocupo

É a caminhar para a luz que estou

Assim já não estou a morrer!

 

Eu não me preocupo

Vou correr

Acabei com a incapacidade

Sigo o meu coração

Directamente para a subjectiva felicidade!

 

Já pus metade do mundo de parte

Porque já é tarde

Esqueci...

Sinto que estou perto de mim…

Eu quero encontrar-me!

 

Eles eram a minha incapacidade

Eu era a minha incapacidade

Lutei para me capacitar

Para me livrar das minhas incapacidades

E fugir para a luz!

 

Eu não me preocupo

Vou correr

Acabei com a incapacidade

Sigo o meu coração

Directamente para a subjectiva felicidade!

 

Eu vou correr

Rapidamente

Fortemente

Para aquela luz eu vou

Quando chegar apago

Esqueço…

Vou ter saudades…

Mas eu não me preocupo!
publicado por Borges às 18:14
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 24 de Agosto de 2007

Odeia todos os os dias da tua vida

Odeia todos os dias da tua vida

A vida é insegura

Odeia-os fortemente

Segura-te arduamente

Vive...

Com fervura...

Com calma...

Odeia

Para que numa surpresa...

Num certo dia em que tudo mudar

Num dia perfeito

Possas amar...

Amar todos os dias que odiaste

E amar todos os que tens para amar!

Odeia...

Todos os dias...

Odiar tambem é positivo

Pode ser um passo

Para  aprenderes a amar no amanhã

Sem pensares no quanto custa amar!

publicado por Borges às 03:23
link | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Agosto de 2007

Uma pura inocência mortal!

Se sorrires para mim

Isso pouco importa

Não sinto que seja para mim

Passas muito tempo

Fora da minha cabeça

É bom que seja assim!

 

Há dias que te vejo no horizonte

Além do pôr-do-sol

É horrível…

Sinto que já não penso em ti

Mas sinto que estás em mim

 

É horrível

Tu fazes-me mal

Eu não te quero

Tu magoas-me

Meu eixo do mal

A tua inocência é horrível

Uma pura inocência mortal!

 

Porque não desapareces?

Sem culpa

Tu magoas-me!

Eu bem luto…

Por momentos

Sinto que não existes

Mas tu apareces!

 

Porquê?

Não entendo

Porque estás sempre a surgir na minha mente

Se hoje penso que não mais te quero

Amanha estou pior porque te quero!

 

É horrível

Tu fazes-me mal

Eu não te quero

Tu magoas-me

Meu eixo do mal

A tua inocência é horrível

Uma pura inocência mortal!

 

Se sabes que matas…

Isso não sei…

Mas que me magoas

Isso te direi

Caso não saibas

Disso eu não me esquecerei!

publicado por Borges às 02:44
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 17 de Junho de 2007

O Agradecimento

Já não consigo

É impossível para mim

Viajar neste mundo

No mundo ao qual lhe chamam

Nosso e normal!

Não consigo…

É um mundo triste e doente

Não aguento esta dor!

O mundo…

Esta vida aqui…

Estão incuráveis

Desta doença e tristeza incurável

A minha impossibilidade aqui

É uma realidade!

 

Como não consigo

Viajar nem viver neste mundo

Viajo e vivo na minha mente

Esqueço o que lhe chamam de real

E viajo…

E vivo…

Mas a minha mente está confusa

Está distorcida

Mas está consciente!

É uma viajem e uma vida atribulada

Passo pelo meio da minha dor

Do meu sofrimento

Das minhas memorias

Pela nostalgia

Pelo ódio

Pela raiva

Pela revolta!

 

Se estou mal…

Se a minha mente está podre…

A culpa é do mundo que vocês criaram

Da merda que vocês moldaram!

A minha mente está confusa!

O mundo está doente!

A culpa é vossa!

Desculpem mas a culpa é vossa!

Fizeram de tudo uma desgraça

Puseram quase tudo doente…

E o que não está…

Vocês iram pôr!

Senhores manipuladores da humanidade e da mente humana

Estão satisfeitos com esta merda?

 

Agora nem aqui…

Nem ali…

Já não consigo

Já não tenho refugio

Já não sei para onde me voltar!

Por vossa culpa…

O mundo está doente!

A minha mente está podre!

Em breve…

Todas as mentes assim estarão!

Destruíram o mundo…

Senhores porque?

O mundo está doente…

Sem amor

Sem amizade

Sem paz

Sem felicidade

Sem entendimento

Sem capacidade de compreensão

Já nada nesse mundo doente faz sentido

Nada funciona…

Não há relações puras entre seres humanos

Não há mesmo nada

Somente dor e sofrimento!

Falsidade e fingimento!

É um mundo doente e triste

Nele só vejo lágrimas e falsidade

Traição e infelicidade!

Já não é possível ser-se feliz nele…

Já nem para lutar pela felicidade há condições!

Esse mundo já nem se importa com a felicidade de alguém!

Esse mundo já não faz sentido

Talvez seja tarde de mais!

Lentamente…

Todos irão desistir um dia

Merda de Tristeza!

Está doente!

Está triste!

 

Se a minha mente está podre

Em breve…

Todas assim estarão!

O vosso mundo…

Aquele que me esqueço

Aquele que vocês destruíram

Aquele que contaminaram…

Vai ser inabitável para todos

Ninguém mais

Mais ninguém

Viverá nesse mundo…

Nesse mundo doente e triste

Nessa merda que vocês criaram!

Obrigado senhores manipuladores!

Obrigado senhores colaboradores da desgraça!

Neste momento

Prefiro a minha mente podre e baralhada

Do que o vosso doente e triste mundo!

Satisfeitos com o que realizaram?

Já é tarde…

Eu sei…

Vocês conseguiram…

Obrigado!

publicado por Borges às 03:37
link | comentar | ver comentários (5) | favorito
Terça-feira, 12 de Junho de 2007

A minha vida

Se pudesse apagar…

Eu apagava a minha existência

Luto todos os dias por uma vida

Por uma simples vida normal

Luto para ser normal…

Mas cada luta é uma simples derrota…

Sinto que me estou a apagar

Estou cada vez mais enterrado

Cada vez me sinto mais anormal…

Estou cada vez mais desenquadrado!

A minha vida não serve para nada

Nem ao diabo eu a desejava!

 

Mas porquê?

Porque que tenho esta vida anormal?

Porque que tenho uma vida sem qualquer interesse?

Porque que sou um simples boneco?

Porque que sou diferente de todas as pessoas?

Será que ainda sou uma pessoa?

Alguém me diz porque que a minha vida parou?

Eu não entendo…

Estou cansado

Estou farto de sofrer…

Já não consigo viver a minha própria vida!

Dizem-me para acreditar…

Dizem-me para não chorar…

Mas porque?

Mas querem que eu acredite em simples sonhos?

Eu não suporto mais isto!

Não faço mais nada que sonhar…

Sofrer e sonhar !

 

Ás vezes sonho e acredito

Sinto que algo vai mudar

Que vou ser normal…

Ou vou ter uma vida normal

Mas não…

Tudo se desfaz…

Nada vai mudar

Não passa de um sonho

É pura ilusão!

E volto rapidamente

Volto á minha estúpida vida…

Ao nada…

Ao desinteresse…

Á monotonia…

Á revolta…

Á tristeza…

Aos sonhos…

Ás lágrimas…

Ao sofrimento…

E a uma simples ponta de esperança!

tags: ,
publicado por Borges às 15:19
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 11 de Junho de 2007

Amiga

Porque tem de ser assim?
Não entendo…
Porque estou aqui
E tu ai?
Por favor…
Nunca te esqueças
Que te guardo comigo
E em todos os segundos
Estás aqui…
Ao meu lado!
Sente a minha força
Sente a minha presença
Eu estou contigo!
 
 
Bem sei que estás longe
Um algo distante…
Mas a tua essencialidade
É gigante…
Fazes falta
És especial
Dás tanto de ti a mim
Que fazes parte de mim
Por mais longe que possas estar
Há uma amizade
Há um sentimento gigante
Que não me desliga nunca de ti!
 
Sei…
Porque me contas
E eu sinto também…
Que sonhas todos os dias
Com um mundo perfeito
Onde estamos juntos
Dois amigos juntos…
Duas almas gémeas em união…
Inseparáveis
Essenciais um para o outro!
Esse mundo que sonhas
Esse mundo em que pensas
É uma realidade
É somente um desejo…
Uma vontade
Que será realidade em breve!
 
Pensas tal como eu…
Em momentos mágicos de pura amizade
Onde te dou
Uma palavra amiga
E num gesto carinhoso
Me dás um abraço
E eu digo-te nos olhos…
Amiga adoro-te!
Nunca te vás!
Sei que pensas
Tal como eu…
Em momentos de sorrisos
Momentos de lágrimas
Momentos de partilha de sentimentos e emoções
Onde estamos juntos
Onde damos força um ao outro
Onde nos sentimos em pura sintonia…
E nos sentimos numa pura felicidade…
E por saber que nos temos um ao outro
Estamos juntos num mundo perfeito!
Eu sei…
Eu também imagino
Também me toca imaginar
Aquelas noites de conversa interminável
Aquelas tardes de riso imparáveis
Aquelas manhas de aconchego
E onde no meio de todos esses momentos
Digo-te…
Amiga adoro-te!
publicado por Borges às 13:28
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 2 de Junho de 2007

Toma a minha mão! (Estou contigo)

Quando precisas-te

E pensavas que eles estavam contigo…

Pois diziam amar-te

E que estavam sempre presentes

Eles falharam!

Esqueceram-se…

Abandonaram-te…

Foram indiferentes!

 

 

Sei que dói…

Mas estou contigo

Eu estou aqui!

Serei para ti um anjo

Estarei sempre a teu lado

Guardo-te comigo

Estás sempre no meu coração

E para onde quer que vás

Onde quer que estejas

Terás sempre a minha mão!

 

 

Juntos caminharemos

Juntos continuaremos

Não te vou deixar desistir

Vou levar-te comigo

Vou estar contigo

Jamais estarás sozinha

Vou levantar-te do chão

Irás ter força

Irás viver para sempre

No meu coração!

 

 

Estou aqui para te levantar

Para esqueceres

Quem te esqueceu

E seguires em frente

Ao meu lado!

A ti me dou

Jamais irás de novo ao chão

Pois eu não vou deixar

Pois tens sempre a minha mão

Por favor…

Por mais que a vida nos tente derrubar

Por mais que ela nos massacre

Por mais em baixo que ela nos ponha

Nunca te esqueças…

Estou contigo

Onde quer que vás

Onde quer que estejas

Nunca estás sozinha…

Estás comigo…

Toma a minha mão

Estás no meu coração.

publicado por Borges às 00:09
link | comentar | ver comentários (6) | favorito

Porta de saida

Estou fraco e sozinho

Procuro uma porta de saída

Procuro-me a mim mesmo

Em breve estarei de partida

Com um sorriso nos lábios

Estou pronto para renascer

Jamais serei o mesmo

 

A porta de saída está perto

Espero eu…

Coragem é precisa

Para que rapidamente

Eu a possa abrir

E me possa ir

Sem dar uma única despedida!

Encarar o futuro com frieza

Sem olhar para trás…

Sem recuar…

 

 

Fugirei por uma pequena porta de saída

E lá…

Há esperança

De que um dia

Para onde essa porta me levar

Vou-me encontrar

Serei eu

Renascido e mais forte

E lá…

O passado somente me lembrará

De algo expressivo…

Que todo o resto morreu!

O passado morreu!

 

tags:
publicado por Borges às 00:01
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

A minha dor

Estou sozinho
Sinto-me só e esquecido
Sinto-me pontapeado e excluído
Fui expulso pela porta pequena
Sinto-me paralisado
Estou revoltado…
Não conheço amigos…
Não os consigo ver…
Não sei quem são…
Talvez não os veja porque não quero…
Ou talvez porque não querem ser vistos por mim!
Amigos…
Nem sei se existem na sua totalidade…
 
 
Já não confio na amizade
Ela traiu-me
Ela é relativa
É alucinada…
E magoou-me
Fui traído!
Por ela estou aqui…
Numa falésia
Sozinho…
Sem ninguém para me ouvir chorar
Sem ninguém para me entender
Sem ninguém para me apoiar
Sem ninguém para me dar um sorriso
Sem ninguém para fazer crer...
Que vale a pena viver!
 
 
Olho para a falésia
Vejo lá em baixo
Alguém morto…
Talvez seja eu?
Não sei…
Não m interessa…
Tanto faz…
Só sei que estou sozinho
Sem ninguém…
Perdido
Entregue a mim
Entregue ao nada
Sem força
Simplesmente abandonado…
Sou transparente…
Sou algo nulo…
Indesejado…
Abandonado!
 
 
Mas porque estou sozinho?
Não entendo…
Dei tudo o que tinha
Dei-me aos outros
Porque acreditava ser a única coisa por qual vale a pena viver…
Procurei ser melhor a cada segundo…
Porque acreditava que eles mereciam!
Quis ser amigo…
Mas não…
Não pude ou não consegui…
Estou sozinho!
Mas como aqui cheguei?
Talvez saiba…
Bondade em demasia!
 
 
Entreguei-me demasiado
Dei tudo…
Todo o pouco que tinha
Usaram…
Deitaram fora…
Enganaram…
Pontapearam…
Deixaram-me depois de ter estado sempre presente…
De ter dado uma mão e uma palavra amiga
 
 
Eu aceito isto
Tenho de aceitar
Nada mais posso fazer…
Também já estou doente…
Farto…
Estou sozinho…
Sinto o vento na minha face…
Sinto as lágrimas…
Só consigo ver as trevas…
A escuridão…
Pouco mais vejo
Estou cego de revolta …
Cego de sofrimento!
 
 
Contudo e como tal…
Acredito que ainda há alguém por ai que se possa lembrar de mim…
Mas não consigo suportar esta dor
Eu sei que elas estão comigo…
Talvez estejam…
Eu estou com elas!
Mas estou arrasado…
Deprimido…
Sádico e fraco…
Perdido na escuridão do nada
Numa falésia…
Estou a chorar…
A cada lágrima lembro-me
De cada momento que quem digo estar comigo me deu…
No fundo…
Esses ainda são o pouco que tenho…
Mas também não sei até onde podem continuar a estar comigo…
Já não sei da sua proximidade…
Já não sei se estão!
Não os vejo
Estou sozinho
Estou perdido
Mas ainda tenho uma milésima de esperança
No meu coração ferido e fraco
Que um dia…
Algum desses que referi
Me salve desta escuridão
Me faça sorrir
E olhe nos meus olhos
E diga…
Amigo vamos embora, eu estou contigo!
Mas agora não me interessa sobre isso…
É uma esperança nula…
Relativa…
Pois já pode ser tarde…
Não sei…
Só entendo que estou sozinho á beira de uma falésia
No meio da escuridão da noite e do meu coração
Somente a reflectir…
No sofrimento de ser invisível e inútil…
Na exclusão…
E de estar á parte…
Na dor da solidão!
publicado por Borges às 00:21
link | comentar | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 22 de Maio de 2007

Eu não estou bem!

Se me perguntares como me sinto

Dificilmente vou sorrir

Dificilmente conseguirei dizer que está tudo bem

Sentirei um calor

Algo fervoroso vindo de ti

Mas não estou bem…

Desculpa…

Por melhor razão que venhas…

Por tudo aquilo que possas querer dar-me…

Eu não estou bem!

 

Lamento…

Na verdade já estive bem pior…

Tu sabes…

Tu fizeste sempre para estar lá…

Deste o melhor do pouco que podias dar

Lamento que hoje não me possas ajudar

Mas a vida assim o quer

Hoje, amanha, depois…

Eu não vou estar bem

Não estou bem…

Desculpa…

Perdoa-me…

Mas não tenho culpa…

 

Sei porque existes

Sei porque aqui estás

Porque me estendes a mão

Porque tentas chorar comigo

Porque tentas entender o sofrimento

Eu entendo…

Mas por favor não fiques…

Deixa-me aqui

Eu não estou bem…

Agora não me podes ajudar

Quero estar sozinho

Não quero sorrir

Quero somente reflectir sobre o meu sofrimento

Obrigado

Bem tentas…

Tentas ser algo que não podes ser neste momento

Mas eu não estou bem

Não adianta

Lamento…

 

Entendo-te…

Estou a sentir-te….

A sentir o teu calor…

Algo estranho que não é aquilo que realmente eu quero

Mas é calor…

Aquece-me…sim…ferve em mim…

Mas não é isto que preciso…

Lamento…

Tudo o que quero agora…

É estar aqui…

A sofrer….sozinho e na escuridão

Não quero esse calor… isso que me trazes…

Nada serve nesta hora…

Talvez sirva…

Serve para me confortar um pouco…

Para me fazer alucinar

Mas não me vai deixar bem

Não vou sorrir

Não é do fundo

Lá do fundo do meu coração…

A máquina está fraca…

Não tentes mais…

Deixa estar…

Prometo que vou melhorar…

Não sei quando…

Só sei que eu não estou bem!

publicado por Borges às 00:11
link | comentar | ver comentários (10) | favorito
Terça-feira, 17 de Abril de 2007

Alucinogénico

Ás vezes penso

Ás vezes sonho

Quando mais nada me resta...

Acredito que fugi

Sinto uma inexplicável felicidade

Sinto uma bela volta

E que tudo mudou

Subitamente alucino

 

 

Quando não vivo na realidade

Quando não me posso vive-la

De forma súbita

Eu vivo na alucinação

Amo tudo o que é irreal

E vivo o que realmente não posso viver!

 

 

Tudo o que é alucinação

É puramente irreal

E acaba suavemente

É uma bela e lenta morte!

 

 

É triste e sádico

Doloroso e massacrante…

Ás vezes vivo á alucinar

Mas acabo por morrer

Já morri um milhão de vezes

Ás vezes

Eu vivo…

Eu alucino…

Isto acontece porque mais nada me resta

Sempre que estou a alucinar…

Estou numa inexplicável felicidade

Estou a morrer suavemente!

 

 

Quando não vivo na realidade

Quando não me deixam vive-la

Eu vivo na alucinação

Amo tudo o que é irreal

E vivo o que realmente não posso viver!
publicado por Borges às 23:47
link | comentar | ver comentários (3) | favorito

Abre os teus olhos

 

Estou aqui sentado

Num sofá velho

Podre como os meus sentimentos

Gasto de tanto mal suportar

Mas acredita...

Eu vou continuar a esperar

 

Posso esperar

Com calma e paciência...

Não vou sofrer

Jamais o farei

Não mereces

Porque és uma simples fraqueza

 

É uma longa espera

Porque nunca mais

Abres os olhos

E vês a pura realidade

Preferes sofrer por quem te esquece

Do que deixar que te amem

 

Estou á espera

Sei que não olhas…

Não importa

Estou imune

Não me afectas

A ti fico indiferente

Já não me tocas no coração

 

Não digo que a culpa seja tua

Não interessa culpar-te

Estás cega e paralisada

Fixada em nada

Não vês e não te mexes

Talvez porque não queiras!

 

É uma longa espera

Porque nunca mais

Abres os olhos

E vês a pura realidade

Preferes sofrer por quem te esquece

Do que deixar que te amem

 

Como isto tem graça

Já não me afectas

Também não muito me afectavas…

Simplesmente andei perdido

Não sei se me encontrei…

Se quiseres…

Abre os olhos e vê o que te rodeia

Nesse momento vou pensar em ti…

No que fazer

Talvez agora eu só queira que vejas para depois me ir embora!
publicado por Borges às 23:32
link | comentar | favorito
Sábado, 14 de Abril de 2007

Cinco minutos

Eu quero confessar

Eu preciso de falar

Não aguento mais

Dói....

Dói-me muito

 

Eu sei que tu sabes…

Ou talvez não…

Sei que talvez te seja indiferente

Não faz mal….

Neste momento…

Tudo o que me bate…

É pedra

A dor já não pode ser maior

 

Sempre soube…

Eu sabia

Que jamais poderias

Vir a desenvolver algo por mim…

Uma química, uma atracção…

O mínimo chega…

Pois nunca pedi muito mais…

Sempre soube que não interesso…

Mas ainda assim…

Acreditei…

Sorri….

Fui feliz por segundos…

Procurei lutar…

Eu ainda quero lutar…

Mas porquê?

E para quê?...

 

Hoje desisti….

Ou talvez não…

Não sei…

Fica na tua mão…

Pois nunca disses-te não…

Estou num clima

De conformação

Com o meu destino

E com a tua atitude…

É normal…nunca te contei…

Mas sei o que sentes!

 

Eu sei…

Não tens culpa…

Eu também não…

Eu aceito…

Mas no meu peito…

Eu não esqueço…

Jamais vou esquecer

Esta pequena fraqueza…

O seu significado…

A sua importância…

Aquilo que és para mim…amiga

Eu, um ser fraco…

Encontro força em ti…

Será que entendes?

Guardo-te na memoria…

E no coração

Por favor…

Entende…

É só uma fraqueza…

Um pouco longe de ser amor…

Mas por favor…

Aceita e não te afastes…

Jamais te farei mal…

Somente pelo contrario

 

Anseio por algo…

Contar-te, olhos nos olhos o que sinto…

Só quero contar-te o que penso…

Não quero mais nada…

Só quero dialogar…

Preciso de falar…

Aquilo que nunca te falei…

Sei que posso estragar algo…

Posso equacionar muita coisa…

Ao contar-te o que sinto…

Espero definitivamente que não mude nada…

Quero que me perdoes por esta fraqueza…

E para que saibas…

Nunca me mudou…

Nem me impediu de estar ao pé de ti…

Eu sou eu mesmo e nunca mudo!

 

Só te quero contar…

Só quero fazer com que saibas…

O que sinto…

Mais nada te peço…

Espero que sejas feliz…

Que consigas sorrir…

Mais que eu sorri quando te conheci…

Mas agora…

Só quero uma coisa

Cinco minutos

Só quero contar, falar…

 

Diz-me…

Posso falar contigo?

Tens cinco minutos da tua vida para mim?

Posso rouba-los?

Podem ser cinco minutos…

Cinco minutos que não vou esquecer…

Não importa quando queres falar

Tenho tempo

Posso esperar um pouco…

É tudo que te peço

Assim como…

Por favor…

Sê feliz…

Não importa como…

Nem com quem…

Desde que o sejas

Para sempre!

publicado por Borges às 04:05
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 22 de Março de 2007

Anjo impossível

Lembrar-me de ti

É um divertimento para o meu ser

Eu penso em ti

Somente para sorrir…

Sentir-me feliz...

E pensar…

Pensar que és um anjo…

E que te quero, mas não posso ter…

Mas porquê?

 

Mas eu sei…

Tu nunca vais ser minha

Mil anos poderão passar e escapar…

Eu sei…

Eu sinto…

Tu nunca vais olhar para mim…

E pensar…

Eu gosto de saber

Que tu gostas de mim…

Lamento do meu fundo…

Pois não sei o que vai em mim…

Perdoa-me!

 

Talvez sinta alguma dor…

Por tu não saberes…

Ou então não…

Não importa…

És o meu anjo

O meu anjo impossível

E sempre visível…

Pois estas sempre comigo…

 

Tu não sabes…

Não imaginas…

Nem sonhas…

Nada sobre isto

Porque nunca te contei

Porque nunca o consegui fazer…

Diz-me…

Falhei?

Estou a falhar?

Há perdão possível para esta simples fraqueza?

 

És o meu anjo

O meu anjo impossível

Eu sei…

Nada é impossível…

Mas tu nunca vais ser minha…

Nunca te irei tocar…

Eu sei meu anjo

Eu quero…

Mas sei…talvez esteja em erro…

Mas também não sofro por não seres minha…

Pelo menos por agora…

Depois não sei…

Perdoa-me…

Eu quero…

Mas sei que nunca vais ser minha…

Nunca te tocarei…

Somente sou fraco por ti...

Mas… posso?

publicado por Borges às 21:59
link | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 14 de Março de 2007

Partir? mudar?... Uma certeza!

 

Solidão... Talvez não, uma certeza... Querer partir, ir para bem longe, recrear, rescrever e viver algo novo, algo diferente e melhor!

Sem certezas e com desconhecimento, agarrar algo, partir em aventura, pois um risco é um risco....

Há esperança que mudar vale a pena e que vai ser  a melhor opção, contudo, só há uma certeza, partir para bem longe para que tudo mude e nao volte a ser como ontem... pois mudar pouco, para não mudar nada, não é uma opção para mim, nem para a vida!

publicado por Borges às 14:57
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Novos blog´s. Obrigado.

. Terça-Feira, 8 de Abril d...

. Cessou!

. Não lhe consigo colocar t...

. Como chuva numa triste no...

. Porque não consigo dizer ...

. Se pedir paciência, será ...

. Adeus!

. Dizer-te

. Respostas

. Ondas da minha própria do...

. Simplesmente desapareceu ...

. Monstro anormal.

. Encontrar-me.

. Eu não me preocupo

. Odeia todos os os dias da...

. Uma pura inocência mortal...

. O Agradecimento

. A minha vida

. Amiga

. Toma a minha mão! (Estou ...

. Porta de saida

. A minha dor

. Eu não estou bem!

. Alucinogénico

. Abre os teus olhos

. Cinco minutos

. Anjo impossível

. Partir? mudar?... Uma cer...

.arquivos

. Dezembro 2010

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub