Terça-feira, 17 de Abril de 2007

Alucinogénico

Ás vezes penso

Ás vezes sonho

Quando mais nada me resta...

Acredito que fugi

Sinto uma inexplicável felicidade

Sinto uma bela volta

E que tudo mudou

Subitamente alucino

 

 

Quando não vivo na realidade

Quando não me posso vive-la

De forma súbita

Eu vivo na alucinação

Amo tudo o que é irreal

E vivo o que realmente não posso viver!

 

 

Tudo o que é alucinação

É puramente irreal

E acaba suavemente

É uma bela e lenta morte!

 

 

É triste e sádico

Doloroso e massacrante…

Ás vezes vivo á alucinar

Mas acabo por morrer

Já morri um milhão de vezes

Ás vezes

Eu vivo…

Eu alucino…

Isto acontece porque mais nada me resta

Sempre que estou a alucinar…

Estou numa inexplicável felicidade

Estou a morrer suavemente!

 

 

Quando não vivo na realidade

Quando não me deixam vive-la

Eu vivo na alucinação

Amo tudo o que é irreal

E vivo o que realmente não posso viver!
publicado por Borges às 23:47
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Abre os teus olhos

 

Estou aqui sentado

Num sofá velho

Podre como os meus sentimentos

Gasto de tanto mal suportar

Mas acredita...

Eu vou continuar a esperar

 

Posso esperar

Com calma e paciência...

Não vou sofrer

Jamais o farei

Não mereces

Porque és uma simples fraqueza

 

É uma longa espera

Porque nunca mais

Abres os olhos

E vês a pura realidade

Preferes sofrer por quem te esquece

Do que deixar que te amem

 

Estou á espera

Sei que não olhas…

Não importa

Estou imune

Não me afectas

A ti fico indiferente

Já não me tocas no coração

 

Não digo que a culpa seja tua

Não interessa culpar-te

Estás cega e paralisada

Fixada em nada

Não vês e não te mexes

Talvez porque não queiras!

 

É uma longa espera

Porque nunca mais

Abres os olhos

E vês a pura realidade

Preferes sofrer por quem te esquece

Do que deixar que te amem

 

Como isto tem graça

Já não me afectas

Também não muito me afectavas…

Simplesmente andei perdido

Não sei se me encontrei…

Se quiseres…

Abre os olhos e vê o que te rodeia

Nesse momento vou pensar em ti…

No que fazer

Talvez agora eu só queira que vejas para depois me ir embora!
publicado por Borges às 23:32
link do post | comentar | favorito
Sábado, 14 de Abril de 2007

Cinco minutos

Eu quero confessar

Eu preciso de falar

Não aguento mais

Dói....

Dói-me muito

 

Eu sei que tu sabes…

Ou talvez não…

Sei que talvez te seja indiferente

Não faz mal….

Neste momento…

Tudo o que me bate…

É pedra

A dor já não pode ser maior

 

Sempre soube…

Eu sabia

Que jamais poderias

Vir a desenvolver algo por mim…

Uma química, uma atracção…

O mínimo chega…

Pois nunca pedi muito mais…

Sempre soube que não interesso…

Mas ainda assim…

Acreditei…

Sorri….

Fui feliz por segundos…

Procurei lutar…

Eu ainda quero lutar…

Mas porquê?

E para quê?...

 

Hoje desisti….

Ou talvez não…

Não sei…

Fica na tua mão…

Pois nunca disses-te não…

Estou num clima

De conformação

Com o meu destino

E com a tua atitude…

É normal…nunca te contei…

Mas sei o que sentes!

 

Eu sei…

Não tens culpa…

Eu também não…

Eu aceito…

Mas no meu peito…

Eu não esqueço…

Jamais vou esquecer

Esta pequena fraqueza…

O seu significado…

A sua importância…

Aquilo que és para mim…amiga

Eu, um ser fraco…

Encontro força em ti…

Será que entendes?

Guardo-te na memoria…

E no coração

Por favor…

Entende…

É só uma fraqueza…

Um pouco longe de ser amor…

Mas por favor…

Aceita e não te afastes…

Jamais te farei mal…

Somente pelo contrario

 

Anseio por algo…

Contar-te, olhos nos olhos o que sinto…

Só quero contar-te o que penso…

Não quero mais nada…

Só quero dialogar…

Preciso de falar…

Aquilo que nunca te falei…

Sei que posso estragar algo…

Posso equacionar muita coisa…

Ao contar-te o que sinto…

Espero definitivamente que não mude nada…

Quero que me perdoes por esta fraqueza…

E para que saibas…

Nunca me mudou…

Nem me impediu de estar ao pé de ti…

Eu sou eu mesmo e nunca mudo!

 

Só te quero contar…

Só quero fazer com que saibas…

O que sinto…

Mais nada te peço…

Espero que sejas feliz…

Que consigas sorrir…

Mais que eu sorri quando te conheci…

Mas agora…

Só quero uma coisa

Cinco minutos

Só quero contar, falar…

 

Diz-me…

Posso falar contigo?

Tens cinco minutos da tua vida para mim?

Posso rouba-los?

Podem ser cinco minutos…

Cinco minutos que não vou esquecer…

Não importa quando queres falar

Tenho tempo

Posso esperar um pouco…

É tudo que te peço

Assim como…

Por favor…

Sê feliz…

Não importa como…

Nem com quem…

Desde que o sejas

Para sempre!

publicado por Borges às 04:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Novos blog´s. Obrigado.

. Terça-Feira, 8 de Abril d...

. Cessou!

. Não lhe consigo colocar t...

. Como chuva numa triste no...

. Porque não consigo dizer ...

. Se pedir paciência, será ...

. Adeus!

. Dizer-te

. Respostas

. Ondas da minha própria do...

. Simplesmente desapareceu ...

. Monstro anormal.

. Encontrar-me.

. Eu não me preocupo

. Odeia todos os os dias da...

. Uma pura inocência mortal...

. O Agradecimento

. A minha vida

. Amiga

. Toma a minha mão! (Estou ...

. Porta de saida

. A minha dor

. Eu não estou bem!

. Alucinogénico

. Abre os teus olhos

. Cinco minutos

. Anjo impossível

. Partir? mudar?... Uma cer...

.arquivos

. Dezembro 2010

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds